da Bahia para o Mundo
  • pt-br
  • en

Geração de Emprego e Renda

Quando crescemos juntos,
vamos muito mais longe

 

Seguir os princípios da sustentabilidade vai muito além das iniciativas que implementamos para minimizar os impactos negativos das nossas operações. Significa também potencializar os impactos positivos, promovidos por meio do desenvolvimento econômico e social das comunidades locais, da geração e distribuição dos valores econômicos gerados por nossos negócios na região. Esta geração de valor e impactos positivos podem se dar por meio de diversas formas: geração de emprego, pagamento de impostos, investimentos em infraestrutura e projetos sociais, incentivo à agricultura familiar, escolha prioritária de fornecedores locais, investimento em qualificação de fornecedores e capacitação de mão-de-obra local, entre outras. [GRI 103-1, 103-2, 103-3: Desempenho Econômico e Impactos Econômicos Indiretos, GRI 203-2]

 

 

É somando que se desenvolve

Ao promovermos ou incentivarmos um projeto ou uma nova iniciativa, nos pautamos no objetivo de ajudar a fortalecer o capital social. Sempre que possível, buscamos ampliar a escala de investimentos por meio da associação com políticas públicas com foco na transformação social. Seja proativamente ou por atendimento de demandas, nossas ações são alinhadas aos objetivos estratégicos de nossa Agenda de Sustentabilidade, que prioriza as pautas de Saúde, Educação e Cultura Tradicional, Geração de Renda e Meio Ambiente.
Os investimentos em infraestrutura incluem obras nas estradas tanto para atendimento à logística de nossas operações florestais (construção ou manutenção de estradas na área da Veracel e de produtores rurais do Programa Produtor Florestal) como para atender às demandas da comunidade (melhorias, recuperações asfálticas e manutenções em geral das estradas públicas da área de influência da empresa). [GRI 201-1, 203-1]

 

Em 2017:

• Geramos R$ 105,814 milhões em tributos totais, sendo R$ 16,456 milhões destinados aos municípios de atuação

• Destinamos mais de R$ 1 milhão a doações, voltadas a 15 cidades e 13 comunidades

• Investimos quase R$ 29 milhões em projetos de infraestrutura (estradas para projetos próprios e atendimento a demandas de terceiros)

• Destinamos mais de R$ 5 milhões a projetos de investimento social

 

 

Recursos destinados a doações (valores em R$) [GRI 201-1]

201520162017
1.595.871,90 (sendo 278 demandas recebidas, 168 aprovadas, 17 *cidades + 23 *comunidades atendidas)2.062.243,19 (sendo 297 demandas recebidas, 163 aprovadas, 16 cidades + 25 comunidades atendidas)R$ 1.019.430,79 (sendo 286 demandas recebidas, 157 aprovadas, 15 cidades + 13 comunidades atendidas)

 

Tributos apurados em 2017 nos 11 municípios de atuação da Veracel e em Salvador, capital da Bahia (valores em R$) [GRI 201-1]

MunicípioValor
Belmonte (BA)2.353.352
Cabrália (BA)1.708.382
Canavieiras (BA)96.702
Eunápolis (BA)8.628.320
Guaratinga (BA)607.360
Itabela (BA)591.384
Itagimirim (BA)1.048.120
Itapebi (BA)492.348
Jacinto646
Mascote (BA)405.587
Porto Seguro (BA)519.260
Potiragua (BA)633
Salto Divisa (MG)2.628
Salvador (BA)2.628
Stª M. Salto (BA)879
Encruzilhada (BA)419

 

Investimentos em infraestrutura [GRI-203-1 ]

 

201720162015
Total estradas (km)Investimento (Mil R$)Total estradas (km)Investimento (Mil R$)Total estradas (km)Investimento (Mil R$)
Estradas construídas para atendimento dos projetos da Veracel88,415.11916726.89234838.267
Estradas construídas ou mantidas por demanda de terceiros217,013.22269412.2366557.502

A tabela completa de valor econômico gerado e distribuído pode ser encontrada no Sumário de Conteúdo GRI.

 

 

2017, um ano de aprendizado nas operações

Apesar da proximidade da meta de produção de celulose, 2017 foi um ano difícil, com perdas relevantes em áreas críticas, como Digestor, Depuração Marrom e Secagem. Fechamos o ano com a marca de 1.101.634 toneladas de celulose secas ao ar (tsa) produzidas, o que corresponde a 99,6% da meta que havíamos estipulado, de 1.105.000 tsa. Problemas pontuais relacionados à manutenção foram os principais responsáveis pelas perdas, que comprometeram o resultado final. O desempenho, no entanto, deixou lições valiosas para 2018. Desde a Parada Geral de outubro, a Veracel deu início à uma série de ações integradas de Manutenção e Operação, em parceria com a Andritz, empresa parceira nos serviços de manutenção, para aumentar a eficiência dos processos, fortalecendo a gestão conjunta das equipes responsáveis por executá-los. A proposta é aumentar a sinergia entre as áreas, com foco na melhoria contínua, para superar a meta de 1.130.000 tsa prevista para 2018, um ano sem Parada Geral, com 361 dias previstos de produção.

 

Quando as sementes se transformam em frutos

Iniciativas de apoio a projetos de agricultura familiar e do uso múltiplo da floresta contribuem para a geração de emprego e renda nas comunidades da área de influência da Veracel. São projetos resultantes de acordos e articulações institucionais público-privadas para ampliar a abrangência e potencializar os benefícios sociais no território, nas frentes de agricultura familiar, incentivo à apicultura, entre outros, bem como apoio na comercialização dos produtos oriundos dessas iniciativas.

 

Projeto Agrovida

Voltado à produção de alimentos para o consumo da própria comunidade, com a possibilidade de comercializar a produção excedente. Iniciativa promovida meio da cessão de terras em comodato, a partir de um acordo estabelecido com o Fórum Florestal Bahia de compartilhar as áreas de recuo do plantio de eucalipto próximas à comunidade. Fornecemos insumos para o plantio, além de oficinas de capacitação agrícola e outras relacionadas ao associativismo e ao cooperativismo. O projeto teve início em 2009 na comunidade de Ponto Central (Santa Cruz Cabrália). Em 2014, foi estendido ao distrito de Mundo Novo (Eunápolis) e, em 2015, para Itagimirim.

 

 

Projeto Roça do Povo

Desenvolvido há seis anos na comunidade de União Baiana, no município de Itagimirim, o projeto beneficia 82 famílias. A estrela principal desse programa é a mandioca, também conhecida como macaxeira ou aipim, principal produto cultivado na região. No início do projeto, os agricultores receberam assistência técnica, treinamentos e apoio institucional para profissionalizar o negócio. Atualmente, o plantio e a venda da mandioca representam a principal fonte de renda local.

 

 

Assentamentos sustentáveis

Uma parceria com a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (Esalq/USP) permite o planejamento de assentamentos de reforma agrária e uma série de ações junto a essas comunidades. O objetivo do programa é a formação e capacitação dos agricultores, promovendo a produção com conservação. O projeto envolve 900 famílias, num total de cerca de 4.500 pessoas, e representou o maior investimento social da Veracel em 2017, com repasse de mais de R$ 3 milhões.

A partir de 2018, a Veracel e a Fibria passam a atuar em conjunto nessa iniciativa, melhorando sua gestão, agregando valor ao programa e fortalecendo as articulações necessárias ao bom andamento das etapas para a criação de um grande e exemplar assentamento no território.

Saiba mais sobre o relacionamento da Veracel com movimentos sociais e o projeto de assentamentos sustentáveis no capítulo Uso e Ocupação do Solo e Questões Fundiárias.

 

Pacto para o Desenvolvimento da Costa do Descobrimento

Em 2017, ficaram prontas duas unidades de processamento de farinha de mandioca e derivados, entregues a associações vinculadas a agricultores familiares assentados em Ponto Maneca e Guaratinga. Com as unidades, os associados podem produzir farinha e outros derivados da mandioca para comercialização, seguindo todas as condições exigidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a obtenção de licença de comercialização, já que as unidades de processamento serão dotadas de máquinas embaladeiras. Junto às unidades produtivas, cada associação comunitária recebeu móveis, equipamentos e um veículo utilitário para escoamento da produção.

As entregas fazem parte do pacto entre a Veracel e o Governo do Estado da Bahia, por meio do qual destinamos anualmente, entre 2011 e 2016, 25% dos créditos de ICMS devido, a partir de sua liberação, à implantação de projetos de inclusão socioprodutiva na região, principalmente voltados à agricultura familiar. A parceria englobou os municípios de atuação da companhia e todos os anos contemplou várias comunidades a partir de editais públicos. Por decisão do Governo do Estado da Bahia, o Pacto não foi renovado.

 

Apicultura

Em 2015, uma parceria entre a Veracel, a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac) e associações de apicultores de Eunápolis, Guaratinga, Itabela, Itagimirim e Belmonte deu início ao projeto Abelha Rainha. A iniciativa viabiliza a reprodução em laboratório e distribuição de abelhas-rainhas de alto desempenho para apicultores. A iniciativa busca ampliar a produção de mel em toda a região, que já recebe impulso por meio de um convênio de cooperação entre a Veracel e sete associações de apicultores. Veja notícias sobre o projeto no site da Veracel ou consulte o site da Ceplac.

 

Em 2017, o projeto beneficiou diretamente 155 apicultores que, juntos

produziram 98.800 quilos de mel e geraram uma renda superior a R$ 1,1 milhão.

 

 

Em julho de 2017, o projeto Abelha Rainha foi destaque em
uma matéria veiculada no programa Globo Rural

Assista aqui!

O Programa Produtor Florestal

O Programa Produtor Florestal (PPF) surgiu como uma forma de complementar a demanda de matéria-prima consumida para a fabricação de celulose. Cerca de 25% de toda a madeira que abastece nossa fábrica é adquirida de 96 produtores integrantes do Programa Produtor Florestal (PPF). O programa foi lançado em 2003 pela Veracel e, desde 2014, a Associação de Produtores de Eucalipto do Extremo Sul da Bahia (Aspex) é responsável pelo processo de certificação dos produtores do PPF em Manejo Florestal nas normas Cerflor e FSC® – Forest Stewardship Council® (FSC-C107658 / FSC-C111049 / FSC-C111054) e seus princípios. As certificações asseguram o atendimento a todas as questões ambientais e sociais na produção de eucalipto.

Em 2017, o PPF intensificou a captação de novas áreas,buscando integrar os produtores rurais da região ao processo de produção de madeiras de eucalipto. Atualmente, o suprimento complementar de madeira de eucalipto é garantido por 120 contratos assinados com produtores florestais, que correspondem a uma área de 20.585 hectares de plantio de eucalipto; destes, 16.589 hectares são de áreas certificadas.

O PPF também reduziu a necessidade de aquisição de terras e é uma forma de fortalecer a economia local com a geração de renda e trabalho na região, além de possibilitar a diversificação de culturas nas propriedades.

 

 

A preferência é do empreendedor local!

Dar preferência a fornecedores locais (estabelecidos na área de atuação da empresa ou no estado da Bahia) também é uma forma de contribuir para a geração de valor. Essa diretriz orienta as práticas de contratação de serviços e para compras de produtos na Veracel. Dessa forma, desde que ofereçam condições competitivas e de qualidade, os parceiros locais têm prioridade. [GRI 102-9, 204-1]

 

Total de compras de fornecedores no estado da Bahia (em R$ milhões)

201520162017
Mercadorias: R$ 294,1, que representa 65% do total

Serviços: R$ 234,4, que representa 74% do total

Mercadorias: R$ 318,7, que representa 66% do total

Serviços: R$ 208.5, que representa 60% do total

Mercadorias: R$ 376,1, que representa 74% do total

Serviços: R$ 285,6, que representa 85% do total

 

Sustentabilidade na cadeia produtiva

Esperamos de nossos fornecedores a adoção de comportamentos e práticas que respeitem as pessoas e o meio ambiente e que contribuam para a preservação ambiental e de redução dos impactos potenciais de suas atividades nas áreas onde atuam. Com base em uma plataforma de Monitoramento Integrado, consolidada em 2016, avaliamos estes e outros aspectos relacionados à sustentabilidade junto a nossos fornecedores críticos por meio de auditorias, cujos resultados fornecem insumos para a tomada de decisões para renovações de contratos, premiações e tratativa de desvios. [GRI 102-9]

 

Auditorias em fornecedores críticos*

Impactos potenciaisFornecedores auditadosResultados das auditorias
Meio ambiente: alterações de qualidade do solo, da água e do ar e danos à flora e à fauna
[308-2]Direitos humanos: trabalho análogo ao escravo, discriminação, direito de livre associação
[GRI 414-2]Práticas trabalhistas: descumprimento da legislação trabalhista, previdenciária, de saúde e segurança do trabalhador
[GRI 414-2]
100% dos fornecedores englobados no escopo de certificação, totalizando 51 empresas que atuam nas áreas florestal, industrial e expedição de celulose.

Deste total, 25 empresas também são auditadas no escopo específico de Saúde e Segurança Ocupacional, cujos critérios de enquadramento levam em consideração a exposição do trabalhador aos riscos. Neste escopo, 100% das auditorias planejadas foram executadas.

A média geral de atendimento para os temas auditados nas 51 empresas foi 79,85%. As não conformidades identificadas foram encaminhadas para tratamento, com ações sob coordenação dos gestores responsáveis pelos contratos.
A organização não encerrou até o presente momento o relacionamento com fornecedores em função destes temas.

*Fornecedores críticos são aqueles que se enquadram em um ou mais dos seguintes parâmetros: oferecem serviços de valores elevados (acima de R$ 800 mil), possuem colaboradores lotados nas dependências da Veracel, fornecem assistência técnica especializada ou oferecem produtos ou serviços que não tenham caráter esporádico.

 

Relacionamento com comunidades tradicionais

Mantemos um diálogo próximo, transparente e constante com comunidades tradicionais do Sul da Bahia, como associações de pescadores e comunidades indígenas. Essa prática faz parte do gerenciamento de impactos potenciais e reais de nossas operações, uma vez que ocupamos um território com características geográficas e históricas tão importantes.
Veja as principais ações realizadas junto a estas comunidades a seguir.

 

Comunidades pesqueiras

Mantemos um diálogo ativo com as 17 associações e colônias de pescadores artesanais localizadas entre os municípios de Belmonte e Nova Viçosa, na rota das barcaças que transportam a celulose do Terminal Marítimo de Belmonte para o Portocel, no Espírito Santo. Em 2017, começou a ser construída uma fábrica de gelo na comunidade de Santo Antônio. O gelo produzido na unidade será usado para armazenar adequadamente os frutos do mar para comercialização. A previsão é de que a obra seja concluída em 2018, quando também serão ofertados cursos de capacitação para a comunidade.

Atendendo à uma demanda da comunidade, em Belmonte também foi iniciada a reforma e ampliação da Unidade de Beneficiamento de Mariscos, com previsão de entrega em 2018. Além das melhorias no espaço, o projeto prevê a capacitação dos integrantes da associação, composta por moradores que, em grande parte, vivem da pesca e comercialização dos mariscos.

Também apoiamos atividades de educação ambiental em todas as comunidades que integram o circuito, em atendimento às condicionantes para licença de operação do Terminal Marítimo de Belmonte.

 

 

Comunidades indígenas

Nas iniciativas de incentivo à geração de renda, a Veracel apoia um projeto desenvolvido pelo governo do Estado para implementar a psicultura na comunidade indígena localizada em Santa Cruz de Cabrália. Em encontros regulares com a comunidade, a empresa oferece capacitação e consultoria para o desenvolvimento do projeto, que beneficia diretamente 25 famílias que residem no local.

 

VOLTAR AO TOPO

Qual a sua opinião sobre o relatório?(Clique e responda à pesquisa)