da Bahia para o Mundo
  • pt-br
  • en

Evolução em conjunto

O desenvolvimento das comunidades nas quais estamos inseridos é tão importante quanto o nosso. Não é à toa que o tema Desenvolvimento Social é um dos principais da nossa Agenda de Sustentabilidade e parte fundamental da estratégia de nossa empresa. Para alcançar isso, investimos em ações de educação, geração de emprego e renda, inclusão social e valorização da cultura local. Entendemos que uma vizinhança se constrói dessa forma, com integração e apoio para que todos cresçam juntos. [GRI 103-1, 103-2. 103-3: Comunidade Local]

 

 

O futuro está nas suas mãos

Desde 2013 oferecemos o curso Jovens Agentes Multiplicadores e Promotores de Cidadania e Desenvolvimento Comunitário, em parceria com o Instituto Mãe Terra. O objetivo é capacitar moradores das comunidades da área de atuação para assumirem o protagonismo social das regiões onde vivem, promovendo iniciativas comunitárias nesses locais. Em 2017, foram 29 novos agentes de desenvolvimento formados, sendo 14 em Gestão Empreendedora para o Associativismo e 15 no curso de Ambientes Marinhos e Costeiros.

 

 

O curso me ajudou a desenvolver o senso crítico e hoje posso realizar o sonho de ter a associação formada, ajudando minha comunidade a crescer.”

Adriana Barbosa, moradora de Mogiquiçaba, formada no curso de Gestão Empreendedora para o Associativismo

Anualmente, os participantes de todas as turmas já formadas são convidados para um encontro para reforçar conceitos, esclarecer dúvidas, promover intercâmbio e reforçar a motivação para o desenvolvimento comunitário. Em dezembro, representantes de 40 comunidades, de 10 municípios, se reuniram na edição de 2017, em Porto Seguro. [GRI 413-1]

Isso estimula e fortalece a autonomia e o protagonismo social juvenil e capacita a atuação como agentes multiplicadores e promotores da cidadania e desenvolvimento comunitário.”

Altemar Felberg, diretor executivo do Instituto Mãe Terra

Respeito à tradição

Nossa presença em um território onde vivem comunidades tradicionais nos inspira a manter o diálogo constante e transparente com estes públicos, como associações de pescadores e comunidades indígenas. Além do investimento em ações para promover o desenvolvimento desses grupos, considerando a importância histórica deles na região (veja mais sobre estas iniciativas no texto Relacionamento com comunidades tradicionais), damos foco em ações voltadas, principalmente, para  a educação e o enfrentamento do abuso e da exploração sexual infantil. [GRI 413-1]

 

 

Atitudes que fazem a diferença

Investir no atendimento às demandas sociais também é uma alternativa para fomentar o desenvolvimento das comunidades. As iniciativas – públicas ou comunitárias –- ou ainda as necessidades emergenciais muitas vezes demandam apoio da Veracel. Apesar de pontuais e não estruturantes, são igualmente importantes para a sociedade. Entre os exemplos, podemos citar o apoio à realização do Projeto de Piscicultura para a Comunidade Indígena Coroa Vermelha, que atende 25 famílias, e o apoio à campanha de saúde para erradicação de focos de mosquito de dengue e escorpiões no município de Eunápolis.

 

Nessa frente de atuação, o trabalho de fortalecimento e regularização das associações comunitárias, em parceria com o Instituto Mãe Terra, tem sido fundamental para o atendimento às demandas, já que as doações não podem ser feitas a pessoas físicas. Isso também contribui para tornar viáveis o acesso a linhas de crédito e políticas públicas, a exemplo do apoio dado à Cooperativa dos Pescadores de Santa Cruz Cabrália (Copesc) para regularização de documentos da cooperativa, o que viabilizou a captação de recurso de edital público, investidos na construção da nova fábrica de gelo do local. Veja em É Somando que se desenvolve em quanto investimos no atendimento a demandas e projetos sociais em 2017.

 

Comunidades indígenas

Nossas iniciativas junto às comunidades indígenas têm como objetivo principal a manutenção do diálogo e a contribuição para a preservação da cultura tradicional. Dentre outros investimentos, apoiamos os tradicionais Jogos Indígenas, participamos de ações de enfrentamento ao abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes nestas comunidades e doamos kits escolares com itens básicos para cada aluno indígena matriculado nas escolas indígenas. Em 2017, 4.600 kits foram entregues nas 31 comunidades que abrigam esses centros de ensino, distribuídas entre os municípios de Porto Seguro, Eunápolis, Cabrália e Belmonte.

Como parte das inciativas de ampliar cada vez mais o diálogo entre as comunidades indígenas e a Veracel, em 2017 foi criado um programa de visitação exclusivo para os estudantes. Entre as crianças, o destino é a Estação Veracel e, para os jovens, o roteiro é a fábrica da empresa. As primeiras visitas foram realizadas em 2017 e seguirão ao longo de 2018.

 

O que já ficou claro desde as primeiras visitas é a sensação de empoderamento dos jovens que visitam a empresa. Eles saem daqui com o claro entendimento que, se quiserem, podem sim se qualificar e trabalhar num ambiente fabril. Observamos uma mudança no comportamento das gerações mais jovens, eles estão se formando, partindo para a universidade, buscando alternativas de educação. Quando eles vão à fábrica, têm a percepção de que aquele é um universo acessível. É com essa impressão que eles voltam para casa”.

Eunice Britto, diretora executiva da Etno Consultori

VOLTAR AO TOPO

Qual a sua opinião sobre o relatório?(Clique e responda à pesquisa)